Seletividade Alimentar entre as crianças com hipersensibilidade sensorial

Seletividade Alimentar entre as crianças com hipersensibilidade sensorial

Seletividade Alimentar entre as crianças com hipersensibilidade sensorial

Muitas crianças, hoje, rejeitam os alimentos por sua cor, cheiro ou textura.Com isso, desenvolvem uma relação pouco saudável com a comida, o que deixa os pais angustiados e desmotivados, diante de inúmeras tentativas fracassadas para reverter este quadro. Uma das consequências deste quadro é a seletividade alimentar, quando a criança elege certos alimentos para compor o seu cardápio, o que pode levar à déficits nutricionais prejudiciais a esta fase da vida.

Além disso, estas crianças também podem sofrer com dificuldades de socialização, já que têm medo de irem a lugares que não ofereçam as opções de alimentos aceitas. A seletividade alimentar em relação à consistência, aspecto ou aroma é frequente em crianças com uma maior sensibilidade sensorial nos sentidos que a criança usa para se alimentar, como paladar e olfato. Crianças hipersensíveis, quando expostas a situações como um ambiente estressante na hora de comer, tendem a prestar menos atenção à comida, o que pode levar a um prejuízo no desenvolvimento das percepções de gosto e cheiro dos alimentos.

Isso acontece porque nosso paladar precisa ser trabalhado para ter as percepções de doce, salgado, azedo e amargo bem aguçadas nas chamadas papilas gustativas da língua. E, para isso, a atenção ao alimento na hora de comer é fundamental. Como estas crianças se “desligam” deste ato, acabam por ter este processo prejudicado, o que faz com que elas não associem prazer à hora de comer, se tornem inapetentes e tenham um comportamento alimentar cada vez mais seletivo.

Para melhorar este quadro, é preciso fazer com que estas crianças resgatem o envolvimento com a sua alimentação. Isso é possível porque a hipersensibilidade sensorial, quando diagnosticada e trabalhada, pode levar ao desenvolvimento de uma relação prazerosa com o alimento, na medida em que os sentidos aumentados se tornam aliados da criança. Para que isso aconteça, é preciso conscientizar a criança da sua hipersensibilidade e, a partir daí, trabalhar a atenção plena na hora de cada refeição oferecida. Criar um ambiente agradável e confiante para lhe dar segurança e conforto, estimular o ato de cheirar, apreciar e mastigar o alimento várias vezes, não distrai-la com outras atividades neste momento são algumas medidas que ajudam a melhorar o quadro.

Portanto, a seletividade alimentar relacionada à cor, cheiro e textura entre as crianças pode ser resultado da hipersensibilidade sensorial que algumas crianças apresentam. Porém, é possível fazer com que o cardápio se torne mais variado através do estímulo ao desenvolvimento da atenção plena na hora de comer. Com isso, a criança pode tornar a sua relação com a comida mais saudável, melhorando a qualidade nutricional da sua alimentação e o convívio social envolvendo os alimentos nesta fase da vida.

Leave a Reply

Your email address will not be published.